Cine FRVendas | Happy Feet – O Pinguim

happy_feet_poster-frvendas

O musical infantil, que se passa no Pólo Sul, conta a história de uma comunidade de pinguins imperadores que usam a música como elemento principal em seus rituais de acasalamento: os pinguins machos cantam músicas de amor para as fêmeas, que escolhem para ser seu par o macho com melhor voz.

O enredo, embora com viés infantil, traz uma reflexão e deixa um legado para quem quer ou precisa refletir sobre os rumos da sua carreira profissional.

Por meio de metáforas interessantes, o filme narra a historia do pinguinzinho Mumble, que possui um talento único, visto num primeiro momento, entretanto, como sem valor para a comunidade: Mumble sabe dançar – o que é totalmente estranho para todos ao seu redor.

 

Com o decorrer do filme já se perceberá, inclusive para o protagonista, que sua comunidade original é rígida demais e mostra baixíssima tolerância à experimentação e à diversificação – traços que são essenciais para o êxito nos dias de hoje.

O desenrolar da trama mostrará que esse talento único de Mumble acabará valendo muito para um outro grupo, que sabe fazer um uso eficaz dessa habilidade. Ao final da história, ainda que boa parte de seu grupo original continue mostrando resistência ao seu talento, Mumble consegue, finalmente, provar o valor de sua habilidade, que não só passa a ser aceita na comunidade dos pinguins, como se revela de grande valor.

O legado para o mundo empresarial é que o filme traz como tema central a importância e a necessidade de se ter respeito e compreensão para com as diferenças individuais. Não importa se estamos falando de traços de personalidade ou competências, o fato é que as pessoas podem ser muito diferentes entre si; e aquelas que parecem ser totalmente incompetentes e inadequadas num dado contexto poderão ser vistas como altamente adequadas e competentes num outro.

Vemos isso acontecer nas empresas, aliás, a competência profissional de modo algum é uma qualidade absoluta, que se transfira automaticamente de um emprego para o outro. Ao contrário, alguém que não dá certo em determinado lugar, poderá ser altamente necessário e contributivo em outro. Cabe às pessoas encontrar seus verdadeiros nichos profissionais, a fim de contribuir para si próprias uma carreira profissional de sucesso.

Por fim, aproveite o fim de semana, reúna as crianças, faça pipoca e boa diversão – ou reflexão!

Fonte: Os filmes que todo gerente deve ver, Ed. Sextante.

Share

Recommended Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *